5 principais desafios da integração do MES com ERP e como superá-los

Para a empresa que deseja ter mais agilidade e visibilidade sobre as atividades do chão de fábrica, a integração do MES com ERP é indispensável. Por mais que este tenha um módulo de manufatura, o processo de coleta de dados e apontamento da produção é tipicamente manual, feito em papel, e não possui sincronismo com o chão de fábrica.

Em outras palavras, integrar ambos os softwares ajudará os gestores a terem dados mais precisos e com maior rapidez. Considerando, por exemplo, informações sobre consumo real das matérias-primas, estoque em processo (WIP), quando o MES e o ERP não conversam, o software de gestão sofre com diferenças de inventário e do custo real da produção.

No entanto, com a integração a acurácia dos estoques e o custeio real da produção se tornam possíveis, de modo que os principais indicadores do negócio e da operação podem ser visualizados com precisão e em tempo para a tomada de decisão.

Separamos, neste conteúdo, os 5 principais desafios da integração do MES com ERP e suas possibilidades. Confira!

Principais desafios sobre a integração do MES com ERP

Quando falamos de mudanças em processos e ferramentas industriais, sempre existirá a possibilidade de aparecerem desafios. Em relação a integração do MES com o ERP não seria diferente.

Porém, listamos abaixo os 5 principais desafios sobre essa integração, assim como a solução para superá-los, acompanhe abaixo!

1 – Visualização dos dados dos sistemas

É fato que um ERP, ainda que tenha um módulo de manufatura, não consegue coletar dados diretamente das máquinas. Essa é uma função que cabe justamente ao MES, sendo que um dos seus principais indicadores de performance é o OEE (Eficiência Geral dos Equipamentos).

Na prática, o módulo de manufatura do ERP fornece informações muito importantes, mas não com a agilidade necessária. O software de gestão é focado em indicadores que consideram uma janela de tempo maior (dia, mês ou ano) para análise de indicadores como faturamento, custos e lucro.

Já no sistema MES os dados são visualizados em tempo real, contextualizando a rotina do chão de fábrica para rápida identificação e resolução de problemas de produtividade e qualidade, entre outros.

Para que os dados sejam visualizados, interpretados e sirvam de base nas tomadas de decisões, é de extrema importância que os colaboradores que operam as ferramentas possuam a capacitação adequada para trabalharem de forma colaborativa entre as áreas de planejamento, usuários do ERP e as áreas da execução, usuários do MES.

2 – Períodos diferentes para a coleta de dados entre os sistemas

A percepção do termo “em tempo real” tem significados distintos para os sistemas ERP e MES.

No software de gestão, é possível utilizar as informações coletadas para planejar questões relacionadas a produção em um universo de horas ou dias – o que, se tratando de ERP, significa manejar os dados em tempo real.

Em contrapartida, no MES esse mesmo tempo real pode significar poucos minutos – quando acontece uma parada de máquina, por exemplo, se o operador não vê de forma imediata os alertas da ferramenta de lean manufacturing na hora que a interrupção ocorre, já não é mais possível considerar a parada uma informação em tempo real.

Por essa razão, que exige que os operadores de ambos os sistemas absorvam os diferentes significados de tempo real e entendam que o sincronismo é importante, mas não quer dizer que as coisas aconteçam na mesma velocidade, que consideramos os períodos variados de coleta de dados como um dos 5 principais desafios da integração do MES com ERP.

3 – Necessidade de contar com 3 especialistas (um no ERP, um no MES e outro na integração)

Uma vez que se decidiu pela integração do MES com ERP, é preciso tomar vários cuidados. Sem planejamento, as chances de a integração trazer mais problemas do que soluções são grandes, por isso é preciso a atuação de três profissionais: um especialista funcional na gestão de chão de fábrica a partir do MES, um especialista funcional nos módulos de planejamento do ERP e um especialista de TI para a troca de mensagens entre ambos os sistemas – uma espécie de intermediário entre os dois para realizar a comunicação.

Uma das principais razões disso é que os formatos de dados diferem entre as duas plataformas. Desse modo, a atuação de um especialista na comunicação entre os sistemas vai definir um tipo de linguagem ou protocolo comum entre os dois, facilitando o compartilhamento ágil de informações.

4 – Entraves técnicos de comunicação

Esta quarta dúvida pode ser um complemento da que falamos há pouco. Quando se fala em integração é impossível não usar API e quando essa ou algum protocolo de comunicação estão em falta, acontece um entrave técnico.

Tão importante quanto o MES e o ERP trocarem dados, é a automação necessária na busca de um registro. Tudo isso requer padronização e isso se obtém quando há alguém especializado na comunicação entre os sistemas, com expertise para contornar todos os entraves técnicos da integração.

5 – Escolha de uma ferramenta de integração

Dentre as opções de integração do MES com ERP, uma delas é usar web service. Alguns dos principais padrões usados nesse tipo de integração são: XML, HTTP ou TCP/IP.

Por exemplo, a solução de MES da PPI-Multitask – o PC Factory MES 4.0 – é responsável pela geração de informação em tempo real, apresentando-os em uma única interface.

Desse modo, reduz-se o tempo necessário para identificar alguma falha em equipamento ou qualquer outro incidente que prejudique o bom andamento das atividades em uma cadeia de produção.

Trata-se, portanto, de uma solução de MES capaz de se integrar com o ERP, entregando maior agilidade e visibilidade sobre os dados. Algumas das principais características do PC Factory MES são:

  • otimização e detalhamento da produção;
  • apontamento de mão-de-obra;
  • uso de código de barras e RFID para identificar e controlar a movimentação de materiais e itens em um estoque;
  • controle estatístico de processo, de indicadores de capacidade e de qualidade na produção;
  • monitoramento contínuo e online das máquinas, visando identificar paradas e notificar rapidamente os responsáveis;
  • gestão completa de produtividade das máquinas e mão-de-obra;
  • indicadores de manutenção;
  • controle de ocorrências;
  • dashboards e relatórios personalizados.

Além da maior visibilidade e agilidade na coleta e atualização de status das máquinas, o PC Factory MES contribui na melhoria contínua dos processos. Com ele é possível, entre outras coisas, reduzir os leads times, rastrear melhor a produção e reduzir as discrepâncias em inventários.

A PPI Multitask pode ajudar a sua empresa a fazer a integração do MES com o ERP. Nossa solução tem familiaridade com a integração entre os sistemas e fornecemos um serviço de consultoria 4.0 especializada para que o resultado seja a melhoria contínua dos processos da sua empresa.

Conforme vimos, a integração do MES com ERP ajuda a empresa a ter mais visibilidade e agilidade sobre as operações do chão de fábrica. Nesse sentido, é fundamental contar com uma solução robusta de integração.

Continue acompanhando nosso blog e o nosso Linkedin para se manter atualizado das novidades e informações sobre o mercado. Aproveite a visita para obter um diagnóstico da jornada 4.0 da sua empresa!

    Receba nossos novidades

    Uso de Cookies

    Este site usa cookies para melhorar a sua experiência online. As informações detalhadas sobre o uso de cookies deste site estão disponíveis em nosso Aviso de Privacidade. Ao continuar acessando o site você concorda com a nossa política de uso de cookies.

    Mais informações aqui Sim, eu concordo